Cristãos cheios do Espírito Santo – At 2.42-47; 4.32-35; 9.31

Queridos, é comum ouvirmos orações pedindo que o Espírito Santo venha nos encher como que por milagre. Na verdade, é um milagre mesmo, mas com a nossa participação. Entre as muitas atitudes e ações que nos levam a ser cheios do Espírito Santo, a primeira é a obediência incondicional a Deus pela observância da sua Palavra. Todas as outras ações e atitudes que nos levem à santidade dependem dessa primeira.

Para ser cheios do Espírito, para andar no Espírito, precisamos fazer a vontade de Deus revelada na Bíblia. Estejam absolutamente certos de que não há revelação de Deus, se não for pela palavra de Deus; não há revelação de Jesus, se não for pelos seus ensinamentos, transmitidos por ele e pelos seus apóstolos; não há revelação do Espírito Santo, se não for pela Palavra inspirada pelo Espírito Santo.

Nos trechos que lemos, o evangelista Lucas narra como viviam pessoas cheias do Espírito Santo: eram os primeiros membros da Igreja de Jesus Cristo, a Igreja Primitiva, e algumas das suas atitudes e ações nos ensinam como ser e viver cheios do Espírito Santo.

Em primeiro lugar precisamos perseverar na doutrina dos apóstolos. Por incrível que pareça, já ouvi irmãos presbiterianos dizer que não gostam de pastor que só prega doutrina; é comum os pentecostais dizerem que não gostam de Teologia, que esse negócio de estudar a Palavra esfria, que temos que pregar apenas no poder do Espírito Santo, porque a letra mata, mas o Espírito vivifica, conforme se lê em 2Co 3.62Co 3.6.

Que falta de interpretação da Palavra; quanta falta de revelação. O Senhor Jesus diz em Jo 6:63Jo 6:63 – O Espírito é o que vivifica; […] as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida. Portanto, está claro que o Espírito que vivifica é o mesmo que inspirou a Palavra que nos regenerou, como está escrito em 1Pe 1.23 1Pe 1.23 – pois fostes regenerados […] mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Não há como ser cheio do Espírito Santo, não há como viver cheio do Espírito Santo sem o conhecimento da doutrina inspirada pelo Espírito Santo.

Uma vez regenerados pela Palavra, também é por ela que conhecemos a vontade de Deus, a fim de que tenhamos uma vida de santidade, em obediência ao Deus da Palavra, que nos ordenou: vós sereis santos, porque eu sou santo (Lv 11.44,45Lv 11.44,45). É isso que Jesus pede ao Pai, em Jo 17.17 Jo 17.17 quando diz: santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade. Portanto, é impossível ser cheio do Espírito Santo e viver cheio do Espírito Santo  sem a Palavra.

É com essa convicção que Paulo, no final da sua carreira, encomenda os presbíteros de Éfeso: Agora, pois, encomendo-vos ao Senhor e à palavra da sua graça, que tem poder para vos edificar e dar herança entre todos os que são santificados (At 20.32At 20.32).

E como são santificados? Pela Palavra que ele mesmo inspirou; pelo ensinamento do Senhor Jesus, que ordenou: fazei discípulos, ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado (Mt 28.20Mt 28.20). Aqueles irmãos da igreja primitiva eram cheios do Espírito porque perseveravam na doutrina dos apóstolos, o mesmo ensinamento de Jesus, a mesma Palavra de Deus inspirada pelo Espírito Santo, que, agora, enche aqueles que nela perseveram. É a partir da doutrina dos apóstolos que se torna possível perseverar na comunhão, no partir do pão e nas orações. É simples assim! Para ser cheios do Espírito Santo devemos perseverar na doutrina dos apóstolos, e essa doutrina está revelada na Bíblia. Por isso, nós precisamos estudá-la diligentemente.

Em segundo lugar precisamos perseverar na comunhão. Vemos que os irmãos da igreja primitiva perseveravam na comunhão, e nós podemos observar claramente que essa comunhão tinha duas vertentes, a partir da doutrina dos apóstolos: no partir do pão e nas orações, ou seja, havia comunhão entre os irmãos porque havia comunhão com Deus, na doutrina dos apóstolos.

Prestem atenção, irmãos! Não há a menor possibilidade de termos comunhão verdadeira uns com os outros se não tivermos comunhão com Deus, e a maior evidência de comunhão com Deus é o cuidado com os irmãos e a oração de acordo com a doutrina. Eu sei que a maioria das pessoas que entopem a maioria das igrejas não tem conhecimento doutrinário, logo não tem comunhão cristã, muito menos uma vida íntima de oração de acordo com a doutrina. Esse é o motivo de não haver comunhão verdadeira, ou de haver uma comunhão hipócrita nos chamados cultos ou reuniões de oração, que só servem para massagear egos inflados de falsos mestres, pessoas manipuladoras, e suprir carências emocionais de pessoas desajustadas (2Tm 3.6-72Tm 3.6-7).

Eu tenho dito que é muito complicado para mim entender como alguém pode se dizer crente, se não tem uma vida íntima de oração no seu quarto secreto, como ensinou o Senhor Jesus, e quem não conhece a doutrina, sequer sabe que o único ensino sobre como se deve orar é exatamente este do Senhor Jesus (Mt 6.5-8Mt 6.5-8). Queridos, oração é um privilégio, já que é por meio da oração, segundo a doutrina, que podemos entrar num relacionamento íntimo com Deus, o que proporciona uma comunhão íntima e sincera entre os irmãos.

Os vv. 43-45 detalham mais essa comunhão da igreja primitiva cheia do Espírito Santo. Observem que é a partir do temor de Deus, que eles eram bondosos, amáveis, gostavam de estar sempre juntos, cooperavam uns com os outros, de modo que ninguém ficasse desassistido. Assim eles viviam cheios do Espírito Santo.

Em terceiro lugar, para ser cheios do Espírito Santo, precisamos perseverar na adoração. Nos vv. 46-47 podemos ver que aqueles irmãos da igreja primitiva perseveravam na adoração ao Senhor, diariamente, tanto no templo como de casa em casa, louvando a Deus, o que causava boa impressão à sociedade da época.

É claro que a cultura e as circunstâncias em que eles viviam são totalmente diferentes da nossa. Porém, se a cultura e as circunstâncias que nos cercam são diferentes, certamente nós também podemos adorar e glorificar a Deus no nosso dia-a-dia, em casa, na vizinhança, nos nossos relacionamentos, no colégio, na Universidade e no trabalho. Se não podemos estar juntos o tempo todo, é certo que nas reuniões de estudo bíblico e no Dia do Senhor nós podemos. O que nos falta é perseverança; perseverança que está associada à doutrina; doutrina que nos leva ao temor de Deus; temor de Deus que nos faz obedientes à sua Palavra; Palavra que proporciona a comunhão no conhecimento de Deus, a partir do qual nós teremos comunhão uns com os outros, e nas orações segundo a vontade de Deus, e não a nossa. É isso queridos!

Por fim vemos o resultado das atitudes daqueles irmãos cheios do Espírito Santo. O seu simples testemunho de vida, perseverando na doutrina dos apóstolos, perseverando na comunhão, perseverando na adoração a Deus, era o que atraia as pessoas. Observem que não havia campanha de evangelização. A evangelização era feita com as suas vidas cheias do Espírito Santo, com o seu relacionamento cheio de amor, com o seu falar cheio de graça, e com o seu louvor e adoração cheios de temor a Deus.

Enquanto isso, o Senhor lhes acrescentava dia a dia os que iam sendo salvos, por causa do testemunho de vida dos irmãos cheios do Espírito santo, pelo ensino da Palavra ministrada pelos apóstolos, ou por alguém capacitado por eles. Essa é a fórmula de Deus para que uma igreja cresça e permaneça cheia do Espírito Santo: Pastores-mestres que pregam a Palavra com integridade, e fazem discípulos que aprendem e praticam a Palavra de Deus.

Por isso, eu insisto em lhes dizer: a principal função de um pastor é ensinar. Foi assim que o Senhor Jesus agiu com os seus discípulos; foi assim que os apóstolos agiram com a igreja primitiva; foi assim que os discípulos dos apóstolos, como Timóteo e Tito, agiram com as igrejas sob o seu pastoreio; é assim que nós agimos e continuaremos a agir, ensinando a Palavra com integridade, em obediência à própria Palavra de Deus, certo de que o Espírito Santo que nos regenerou é o mesmo Espírito que nos santifica pela Palavra que ele inspirou.

Que Deus nos ajude a ser como os primeiros cristãos: perseverantes na doutrina dos apóstolos, na comunhão com Deus e com os irmãos, nas incessantes orações, e então seremos cristãos cheios do Espírito Santo, uma igreja adoradora, atraente àqueles que o Senhor nos acrescentar a cada dia, segundo a sua vontade, para louvor da sua glória. Amém.