A compaixão de Jesus – Mc 1.40-42

Queridos, eu não sei se alguém aqui já teve a oportunidade de ver um leproso de perto. Eu já essa triste experiência, quando morei no Amazonas. Das doenças físicas que Jesus curou, a lepra era a mais horrível de todas, e eu não sei explicar porque só há dois registros de cura de leprosos nos evangelhos, já que a lepra era uma doença muito comum naquela época, em todos os lugares por onde Jesus andou.

Nos tempos de Cristo, a lepra era uma doença totalmente incurável. Ainda hoje, só há tratamento para que a lepra estacione ou não progrida, se a doença for detectada logo no início. Diferente do que muitos pensam, não se trata apenas de uma infecção de pele. Na verdade, a lepra ataca o sangue, a carne e os ossos, que vão apodrecendo, e por ser uma doença contagiosa, os leprosos daquele tempo eram considerados imundos, totalmente separados do convívio social, e ninguém podia se aproximar deles.

Por isso, normalmente, as pessoas leprosas não recebiam nenhum tipo de ajuda, já que eram obrigadas a morar em locais isolados, casebres fora das cidades, e quando alguém se aproximava, eles mesmos gritavam “imundo, imundo”, para que ninguém se aproximasse.

Portanto, convém observar a fé daquele leproso, a partir da consciência do seu estado de apodrecimento, e a sua coragem ao se aproximar de Cristo, rogando-lhe de joelhos que ele o purificasse: Senhor, se quiseres, podes purificar-me (v.40). Depois, observemos como nosso Senhor é compassivo e misericordioso, e como ele se compadece das misérias humanas: profundamente compadecido, estendeu a mão, tocou-o, e disse-lhe: Quero, fica limpo! (v.41). Imediatamente o homem ficou limpo (v.42). Bastou um toque e uma palavra do Senhor.

Irmãos, como nós não podemos imaginar a situação em que aquele homem vivia, também não podemos imaginar a alegria que ele sentiu quando teve a sua saúde restaurada. Porém, uma coisa é certa: foi como passar da morte para a vida.

Graças a Deus, não temos leprosos em nosso meio. Mas, será que não podemos ver grande semelhança, e fazer uma associação com o pecado? Sim, irmãos, há uma grande semelhança. Assim como a lepra, o pecado não é uma doença apenas superficial. Na verdade, o pecado contamina e infecciona cada parte da nossa natureza, coração, vontade, consciência, entendimento, memória, afeições, todo o nosso ser. O pecado é uma doença miserável que nos contamina totalmente, deixando-nos imundos e, por consequência, separados de Deus. Por isso, eu afirmo que quem não conhece a doutrina da Queda, a doutrina do pecado, quem não sabe a real situação em que se encontra o pecador, não tem nenhuma condição de entender nem de receber a salvação.

Somente quando tomamos consciência da nossa terrível doença, somente quanto tomamos consciência de que estamos separados ou afastados de Deus, e que precisamos da sua compaixão, então, como aquele leproso, temos coragem de nos aproximar do Senhor, rogando: Senhor, se quiseres, podes purificar-me, certos de que o mesmo Jesus compassivo daquela ocasião, responderá: Quero, fica limpo!

Ah, irmãos, como é confortador, como é consolador, como é animador, saber que temos um Deus todo poderoso, um Deus que é compassivo, misericordioso e que nos ama acima de tudo. Por isso, estejamos certos de que não há nenhuma tristeza, não há nenhuma amargura, ódio no coração, nenhuma doença na alma que o Senhor não possa curar. Nós só precisamos reconhecer a nossa condição de pecadores, e nos aproximar do Senhor, arrependidos, rogando pela sua compaixão e misericórdia.

Por isso, nunca devemos desistir da salvação de nossos entes queridos, de nossos amigos, de quem quer que seja, enquanto pudermos falar, testemunhar, e orar por estas pessoas. Não há nenhum tipo de lepra espiritual que o Senhor não possa purificar, assim como não há nenhum pecador arrependido do qual o Senhor não se compadeça. Porém, nós precisamos lhes mostrar a sua doença, e lhes apresentar a única cura possível.

Precisamos lhes dizer que se confessarmos os nossos pecados, a origem de todas as doenças, o Senhor é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (1Jo 1.91Jo 1.9). Lembremo-nos de pecadores como o rei Manassés, como o publicano Zaqueu, como o fariseu Saulo de Tarso. Todos eles foram curados. Pela sua graça e misericórdia, o Senhor os curou com o seu poder, para louvor da sua glória

Prestem atenção, irmãos! Os pecadores se perdem não porque sejam ruins demais para serem salvos. Eles se perdem porque não reconhecem a sua condição de imundos, e por isso mesmo não buscam a Deus suplicando-lhe que os purifique e os salve.

De igual modo, muitos crentes passam por terríveis dificuldades, simplesmente porque não reconhecem que estão em pecado de desobediência à Palavra de Deus. A única coisa que Deus requer de nós, os salvos, é a obediência, para que vivamos em santidade, de acordo com a sua justiça, para louvor da sua glória

É por isso que clamamos ao Senhor, e devemos continuar clamando dia e noite pelas pessoas que amamos e sabemos que ainda estão, como aquele leproso, separadas de Deus, apodrecendo em seus pecados, para que, através do nosso testemunho, da nossa pregação, o Senhor ilumine o seu entendimento, produza arrependimento em seus corações, para que elas cheguem diante do Senhor, suplicando: Senhor, se quiseres, podes purificar-me.

Por semelhante modo, é por isso que clamamos ao Senhor, e devemos continuar clamando dia e noite pelas pessoas que amamos e sabemos que estão afastadas de Deus, desobedientes, entristecendo o Espírito Santo de Deus, para que o Senhor, através da nossa admoestação, ilumine o entendimento das pessoas afastadas, produza arrependimento em seus corações, a fim de que elas cheguem diante do Senhor, como aquele leproso, suplicando: Senhor, se quiseres, podes purificar-me, eu tenho andado distante de ti, estou como um imundo, mas a partir de agora, arrependido, eu me achego ao Senhor, porque sei que o Senhor é fiel e justo para perdoar os meus pecados e me purificar de toda injustiça.

Ah, queridos, porque o Senhor é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre, estejamos certos de que, em ambos os casos, tanto os que ainda estão separados, como os que estão afastados de Deus, quando, arrependidos, clamarem: Senhor, se quiseres, podes purificar-me, sem nenhuma dúvida ouvirão do Senhor a mesma resposta que aquele leproso ouviu: Quero, fica limpo! E o Senhor faz assim por amor do seu nome e para louvor da sua glória. Como é bom conhecer esse Deus maravilhoso!

Portanto, irmãos queridos, com base no que acabamos de ouvir, à luz desse conhecimento, que cada um possa fazer um autoexame e chegar-se a Deus, arrependido, humilde, dependente do Senhor, suplicando, seja qual for o caso, ainda separado ou afastado, e Deus ouvirá e se chegará ao pecador arrependido, cheio de compaixão, de misericórdia, de amor e de perdão, e o purificará por causa dos méritos do nosso Senhor Jesus Cristo, para que o seu nome seja glorificado em nós e através de nós. Amém.