O cristão e a mordomia cristã – 1Cr 29.10-18

 

Queridos, vamos falar sobre mordomia, e como sabemos, por causa da prática dos falsos pastores, quando se fala em mordomia, normalmente se pensa logo em dízimos e ofertas, o que é um equívoco. Como podemos ver nesta oração do rei Davi, o homem segundo o coração de Deus tinha um conhecimento muito claro sobre o assunto. Ele sabia o que é mordomia, e nós precisamos aprender com ele.

Em primeiro lugar, para compreender melhor o que seja mordomia, como o rei Davi, nós precisamos ter em mente que todas as coisas pertencem a Deus, foi ele quem as criou e, pela sua graça, ele nos deu poder para administrar a sua criação. Sem esse entendimento não há base para falar sobre mordomia. Como podemos ver, para Davi, o Senhor Deus está acima de todas as coisas, de eternidade a eternidade. O Rei sabia que tinha todo poder sobre a nação de Israel e sobre todas as outras nações que Israel subjugou, mas sabia que tudo isso vinha de Deus (ler vv.11-12).

Observem que, no v.11 Davi faz uma relação das coisas, muitas delas inerentes à sua posição de Rei como a grandeza, o poder, a honra, a vitória e a majestade, e estas coisas, de fato, pertenciam ao rei, mas ele credita tudo isso a Deus. Davi sabia que Deus é o rei Supremo, aquele que está acima de tudo e de todos, como ele declara no Sl 22.1 – Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam. Tudo pertence a Deus. Foi esta a base do ensino do Senhor Jesus ao concluir a oração do Pai nosso: Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre (Mt 6.13).

Esta é a primeira verdade fundamental que aprendemos nessa oração do rei Davi e que não podemos esquecer: Todas as coisas pertencem a Deus, inclusive e especialmente, nós mesmos. Nós fomos criados por Deus para louvor da sua glória. Sabemos que nossos primeiros pais pecaram e nos colocaram em inimizado com o Criador. Mas também sabemos que o Senhor, pela sua graça, nos reconciliou consigo mesmo, em Cristo Jesus. Nós fomos comprados por preço, e esse preço foi o sangue de Jesus. Seja na criação ou na recriação, somos propriedade do Senhor.

Como está escrito 2Co 5.15 – ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. Portanto, não somos de nós mesmos, mas de Cristo. Irmãos queridos, se não vivemos ou agimos no sentido de fazer a vontade de Deus, estamos roubando o que lhe pertence e usurpando a sua propriedade e a sua autoridade. Todas as coisas pertencem a Deus.

Em segundo lugar, como consequência do entendimento primeiro de que todas as coisas pertencem a Deus, vemos o rei Davi declarar que Deus é o doador de todas as coisas. Isso é uma consequência lógica. Nos vv.12,14,16 Davi confessa o seu conhecimento de que tudo aquilo que ele relacionara no v.11, tudo aquilo que ele e o reino de Israel possuem vêm do Senhor. Ler os vv.12,14,16.

Nada do que o homem possui tem origem nele mesmo; tudo vem das mãos de Deus, como o profeta Daniel também proclama: Seja bendito o nome de Deus, de eternidade a eternidade, porque dele é a sabedoria e o poder; é ele quem muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis; ele dá sabedoria aos sábios e entendimento aos inteligentes (Dn 2.20-21).

Tudo o que temos é pela graça de Deus, é dádiva de Deus, nós somos apenas mordomos. Por isso, não há nada que Deus venha a requerer de nós que ele mesmo já não nos tenha dado. Satanás e o mundo querem nos fazer crer que Deus exige muito de nós. “É um absurdo o pastor querer que eu esteja na igreja nos domingos e nos estudos bíblicos semanais, como se eu tivesse tempo”. Como não tem tempo, se o tempo é de Deus e foi ele que lhe deu todo o tempo de que você dispõe? “É um absurdo o pastor querer que eu dê o dízimo de tão pouco que eu ganho”. Como pode ser absurdo requerer apenas 10% dos 100% que lhe foram dados? Seja muito ou pouco, é Deus quem nos dá 100% de tudo o que dispomos; ele nos dá vida, inteligência, saúde e força para produzir os 100% a partir da matéria prima que ele também nos dá, e requer a devolução de apenas 10% dos 100% que ele nos deu. Como isso pode ser um absurdo?

Irmãos queridos, tudo pertence a Deus, e tudo vem de Deus; nós somos apenas mordomos. Vamos continuar aprendendo com o rei Davi, que, como mordomo de Deus, com todo conhecimento, apresentou três virtudes indispensáveis a um mordomo fiel:

A primeira é a fidelidade – (v.14) – Neste versículo vemos que Davi, nem de longe, teve a intenção de se apropriar, ou de reter para si aquilo que pertence a Deus; nem de longe o rei teve a intenção de usar o reino de Israel para a sua própria glória, mas, exclusivamente para a glória de Deus. Quem sou eu e quem é meu povo? Como dar voluntariamente o que se não tem? Como poderíamos das essas coisas ao Senhor se dele não as tivéssemos recebido antes?

O rei Davi sabia que mordomia não é uma questão de boa vontade, mas, de fidelidade, como Paulo também nos ensina em 1Co 4.2 – o que se requer dos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel. O bom despenseiro ou mordomo sabe exatamente o que pertence ao seu Senhor, e sabe como o Senhor quer que seus bens sejam administrados. O rei Davi, mesmo sendo rei, tinha plena consciência de que era apenas um mordomo, e que precisava ser fiel ao seu Senhor.

A segunda virtude apresentada por Davi é a sinceridade e voluntariedade – (v.17a,b) – Sinceridade e voluntariedade, irmãos! Ânimo de servir espontaneamente, simplesmente como gratidão por tudo que Deus nos dá. Como Deus é Senhor, é claro que ele poderia nos obrigar a lhe tributar sobre todas as coisas que dele recebemos. Porém, não é assim que Deus quer; ele quer que lhe tributemos sobre tudo o que recebemos, mas que o façamos com amor, com sinceridade e com voluntariedade, como forma de adoração ao nosso Deus que nos dá todas as coisas.

A terceira virtude é a alegria – (v.17c) – Observem como o rei Davi testemunha diante de Deus, mesmo sabendo que Deus já sabia como, naquela ocasião, o povo dava com alegria aquilo que havia recebido do Senhor, e que agora devolvia como dízimos e ofertas para a construção do templo. Davi conseguiu passar para o povo de Israel que, ao invés de tristeza, o bom mordomo sente prazer ao perceber o seu Senhor sendo servido, honrado e glorificado. Toda esta oração de Davi era a expressão da sua alegria em ver o povo contribuindo para a construção do templo. O rei sabia que Deus se agradava daquela atitude do povo. O apóstolo Paulo também nos ensina isso acerca das ofertas voluntárias: Cada um contribua segundo tiver proposto no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria (2Co 9.7).

Queridos, esse é o ensino bíblico sobre mordomia: a primeira coisa que precisamos ter em mente, o fundamental, é que todas as coisas pertencem a Deus; a segunda coisa que precisamos ter em mente, como consequência lógica da primeira, é que tudo o que temos nos foi dado graciosamente por Deus, o real dono da terra, de tudo o que nela se contém, do mundo e dos que nele habitam, e que, inclusive nós, somos propriedade de Deus.

A par disso, concluindo, sabedores de que somos apenas mordomos do Rei, o real dono de todas as coisas, precisamos ser mordomos féis, não permitindo que sequer passe pela nossa cabeça querer usurpar o que pertence ao nosso Senhor, e que, pela sua graça, nos confiou a administração, a mordomia dos seus bens; sabedores de que somos apenas mordomos do Rei, o real dono de todas as coisas, precisamos desempenhar esse papel com sinceridade e voluntariedade, não por constrangidos, mas espontaneamente, com o coração cheio de gratidão por tão grande honraria que o Senhor nos concedeu de sermos administradores do seu reino cósmico; sabedores de que somos apenas mordomos do Rei, o real dono de todas as coisas, precisamos desempenhar esse papel com alegria pelo simples fato de saber que o nosso Senhor é servido, honrado e glorificado com a nossa obediência e reconhecimento de que ele é Senhor sobre todas as coisas. Ele é o nosso Senhor!

Esta é a Palavra de Deus para a sua igreja. Que cada um pense nas coisas que Deus lhe tem confiado; que cada um pense no modo como estas coisas têm sido administradas; que cada um seja achado um mordomo fiel, que administra todas as coisas sob sua guarda exclusivamente para honra e glória do Senhor do universo, o real proprietário de todas as coisas, inclusive de nós mesmos. Amém.

Categoria: MENSAGENS
Publicado em por Pr. Juarez Rodrigues